Deu liga? Ganso é o jogador com mais passes para finalização do Brasil

Não é possível afirmar, mas quando Paulo Henrique Ganso desembarcou no Rio e foi recebido nos braços da torcida talvez não pudesse imaginar o que o esperava no Fluminense. Contratado como o principal reforço do Flu para a temporada, o meia precisava corresponder às expectativas da torcida, da imprensa e dele próprio.

De fato, o jogador disputou apenas quatro jogos vestindo a camisa do tricolor, mas, aos poucos, vai conseguindo provar o seu valor. Todavia, é bem verdade que ainda não fez nenhuma partida que pode ser chamada de genial, mas mostrou traços daquele Ganso que fez tanto sucesso nos tempos de Santos.

Contudo, teve atuações regulares e mostrou estar encaixado com a equipe do técnico Fernando Diniz. Na vitória do Fluminense contra a Cabofriense por 2 a 1, Ganso foi coroado com uma boa estatística. A princípio, o meia se tornou o líder em assistências para finalização no futebol brasileiro. O número foi divulgado pelo site especializado em estatísticas Footstats.

Ganso marcou o primeiro gol contra o Ypiranga, na Copa do Brasil. (Foto: Lucas Merçon | Fluminense)

Assumiu a ponta

Sendo assim, nas quatro partidas do jogador, contra o Bangu, Resende, Ypiranga e Cabofriense, Ganso deu 12 assistências para finalização. Portanto, a média é de três por jogo, um bom número para o responsável pela criação de jogadas. Com isso, o tricolor superou o uruguaio Arrascaeta, do Flamengo, que tem mais jogos disputados.

Assim sendo, justamente nesse jogo Ganso fez o que consideraram como a melhor atuação pelo Fluminense. Além de uma assistência para o gol do atacante Luciano, o jogador também criou ótimas jogadas. Acertou 58 passes, deu cinco assistências para finalização, driblou e até desarmou.

“A gente vai evoluindo a cada partida, ficando mais solto dentro de campo. Espero melhorar sempre. Quando se está feliz, você joga com a cabeça mais tranquila, mais livre dentro de campo. E isso faz bem para todo mundo”, afirmou Ganso após a partida no domingo.

Deixe uma resposta