Destaque do futebol chinês sonha com acesso à primeira divisão

Há oito anos na China, o atacante Dori é o brasileiro há mais tempo no país. Formado nas categorias de base do Fluminense, o jogador de 29 anos acertou com o Meizhou Hakka, da segunda divisão do futebol chinês. Destaque no país, o atacante chega para garantir o acesso da equipe na elite.

Mas, engana-se quem pensa que o nível da segunda divisão do futebol chinês é muito abaixo da Super Liga Chinesa. Pelo mesmo, é o que diz Dori. Para o meio-campista, o nível técnico da Liga Jia, a divisão de acesso no país, se assemelha e muito ao da elite. Além disso, o Camisa 10 acredita que o Meizhou Haka tem tudo para fazer uma grande temporada, neste ano.

“A expectativa é muito grande para uma temporada difícil. Para quem acha que a Superliga é forte, é porque não conhece a Liga Jia. O equilíbrio e a competitividade têm aumentado demais e não sabemos quem são os favoritos. Estou indo para mais um ano na China e meu clube, apesar de não estar ainda planejado para subir, pode fazer um grande ano. Quero ajudar e fazer muitos gols. Esse é meu ofício e pretendo fazer bem”, disse Dori.

“Será um grande ano”

Dori (3º da esquerda para direita) acredita que é possível bater de frente com os favoritos ao acesso (Foto: Reprodução | Meizhou Hakka)

Apesar de manter a esperança numa boa temporada, Dori admite que existem outros favoritos ao acesso para a Super Liga Chinesa. O meia exaltou o Shijhiazuang, que conta com o ex-Vasco Muriqui e o ex-Flamengo, Cruzeiro e Grêmio Marcelo Moreno. Além disso, Guizhou, rebaixado na temporada passada, também é visto como uma das equipes mais fortes da segunda divisão. Ainda assim, Dori acredita que é possível chegar longe na Liga Jia.

“O time do Muriqui e do Marcelo Moreno, o Shijhiazuang e o Guizhou, time que desceu da primeira em 2018, chegam fortes mas não imbatíveis. Será um grande ano e estou muito motivado, ainda mais depois da semana, com o nascimento do meu filho Vicente e meu aniversário. Isso anima ainda mais”, concluiu Dori.

*matéria de Paulo Chagas

Deixe uma resposta