Altitude? Preparador explica como Flamengo pode superar impacto na Bolívia

Nesta terça-feira (05), o Flamengo enfrenta o San José-BOL, pela primeira rodada da fase de grupos da Copa Libertadores da América. Logo de cara, o Rubro-Negro vai ter que encarar os 3.700m de altitude da cidade de Oruro, casa da equipe boliviana. Para se adaptar ao clima, a equipe foi para Santa Cruz de la Sierra, cidade 400 metros mais baixa. Assim, só deve ir para o Estádio Jesús Bermúdez no dia do jogo.

Esta não é a primeira vez que o Flamengo vai encarar a altitude da Bolívia num jogo de Libertadores. Há sete anos, o Rubro-Negro enfrentou o Real Potosí, com mais de 4.000 metros acima do nível do mar. E, no comando da preparação física estava Antonio Mello. Atualmente aposentado, o ex-preparador afirma que a estratégia do Mais Querido de viajar para Oruro no dia do jogo pode ser acertada. Entretanto, existem ressalvas que podem atrapalhar o Flamengo.

Antônio Mello afirmou, em entrevista ao Esporte 24 horas, que ir para a cidade do evento para práticas esportivas em locais com altitude é comprovadamente efetivo. Entretanto, a medida é funcional para atividades como a maratona, que não exige tantas variações de velocidade e direção. Para o ex-preparador, é importante que equipes de futebol cheguem com dias de antecedência para se adaptar ao clima;

“Chegar próximo à hora do jogo é um estudo. Porque o impacto na hora exata do jogo é menor. Mas eu acredito que isso seja mais adequado pra esportes cíclicos, como uma corrida, num ritmo constante, sem as mudanças de ritmo que o futebol tem. Você freia, retoma a velocidade, muda de direção, além dos fundamentos do esporte. É um sistema energético de base anaeróbica. Então, chegar no dia pode ser correto, mas com experiência, você vê que no futebol, chegar antes também é importante, para que o atleta não seja pego de surpresa técnica ou fisicamente”, disse Antônio Mello.

Altitude demanda planejamento

Antonio Mello era preparador do Flamengo na última ida da equipe para a Bolívia, em 2012 (Foto: Gilvan de Souza | Flamengo)

Antônio Mello acredita que é preciso pouco mais de 15 dias para se adaptar aos 3.700 metros de altitude de Oruro. Para o ex-preparador, é importante que os atletas tenham tempo para se adaptar às mesmas condições dos jogadores bolivianos. Entretanto, a estratégia esbarra no apertado calendário do futebol brasileiro. Para o preparador, o Flamengo deveria ter viajado logo depois do jogo contra a Portuguesa, na última quinta (28), para se adaptar à altitude, em meio ao calendário apertado.

“Além disso, você viaja pouco antes da partida e volta assim que termina e gera dois fatores de desgaste: as viagens de ida e volta com a partida no meio das viagens. O ideal seria viajar depois do jogo do Carioca. Aí, essa viagem de ida fica mais espaçada da volta. E, na volta, você dorme no local, se alimenta, faz o regenerativo por lá. Aí, você volta. Com isso, você tem a preparação adequada. É importante você fazer o planejamento com antecedência”, afirmou Antônio Mello

Nesta segunda-feira (04), o Flamengo fez o último treino antes da estreia na Copa Libertadores da América, no Estádio Tahuichi, em Santa Cruz de la Sierra. Na terça (05), o Rubro-Negro viaja para Oruro para enfrentar o San José, às 19h15, horário de Brasília, pela primeira rodada da competição.

Deixe uma resposta