Por vídeo homofóbico, TJD-RJ pune Fellipe Bastos com 3 jogos de suspensão

Joel Silva

, Destaque, Vasco

A 2ª Comissão Disciplinar do TJD-RJ puniu o volante Fellipe Bastos com 3 jogos de suspensão. O jogador foi denunciado por conta de um vídeo feito após a conquista da Taça Guanabara. Na ocasião Fellipe Bastos estava ao lado de Ricardo Benarroz, um funcionário do clube, cantando uma música de cunho homofóbico contra o Fluminense. A decisão foi em primeira instância e cabe recurso ao Pleno do TJD-RJ. O Vasco vai tentar um efeito suspensivo. Caso não consiga reverer, a punição é válida apenas para os jogos do Campeonato Carioca.

Fellipe Bastos foi denunciado pelo artigo 243-G por “praticar ato discriminatório, desdenhoso ou ultrajante, relacionado a preconceito em razão de origem étnica, raça, sexo, cor, idade, condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência” e também pelo 258 que é “assumir qualquer conduta contrária à disciplina ou à ética desportiva”.

Essa é a segunda vez em 2019 que um jogador do Vasco é punido pelo TJD-RJ. O volante Andrey também pegou um gancho de 3 jogos, devido a expulsão diante do Americano, pela 3ª rodada da Taça Guanabara. No entanto, o Vasco conseguiu um efeito suspensivo e o jogador está liberado até o julgamento no Pleno.

Os votos

O primeiro a votar foi o relator Leonardo Rangel. Ele afirmou que o jogador ofendeu, mas não considerou preconceito, votando por 4 jogos de suspensão, mais multa de R$ 11 mil. O auditor Rafael Lira entendeu que a ofensa e o preconceito não foram para alguém em específico. Portanto votou pelo gancho de 3 jogos. Rodrigo Borges, outro auditor, acompanhou o voto do relator. Já o auditor Julião de Melo entendeu que a atitude de Fellipe Bastos não se classifica como homofobia, mas sim decoro, punindo o atleta em 3 jogos de suspensão. Por fim, o presidente Wanderley Rebello de Oliveira Filho votou pela suspensão de apenas um jogo e acabou sendo voto vencido. O resultado foi uma punição de 3 jogos de suspensão para Fellipe Bastos.

Homofobia, vergonha e impunidade: a banana de Fellipe Bastos para a sociedade