Na Cabofriense, Valdir projeta estreia e afirma: “Só tenho a agradecer ao Vasco”

Neste domingo (24), às 19h30, começa a trajetória de Valdir Bigode como técnico da Cabofriense. O time da Região dos Lagos enfrenta a Portuguesa da Ilha, no Alair Corrêa, em Cabo Frio. Apesar do longo tempo como auxiliar e algumas vezes como interino no Vasco, Valdir espera dar sequência na função de treinador.

“Na verdade eu já era treinador. Eu trabalhei em outras equipes até ir para o Vasco como auxiliar. Fui interino algumas vezes e agora a Cabofriense está me abrindo as portas. Acredito definitivamente que eu possa desempenhar essa função e espero, de uma forma ou de outra, seguir em frente”.

Na Taça Guanabara a Cabofriense ficou na última colocação, com apenas 4 pontos. Entretanto conseguiu vencer o Botafogo, pelo placar de 3 a 1. É repetindo aquela atuação que Valdir Bigode espera conseguir a classificação para a semifinal da Taça Rio.

“Por coincidência eu assisti esse jogo contra o Botafogo que a Cabofriense venceu. Eu vou procurar em cima desse jogo, buscar tudo que eles fizeram e colocar em prática daqui pra frente. É claro que a gente pode colocar isso como um passado, mas é um passado muito curto. Ainda está vivo na memória essa vitória e a gente vai trabalhar em cima disso. Como eu disse, vou fazer de tudo para ter uma sequência boa aqui. Vou ter aí 6 compromissos, para ver se a gente consegue uma classificação para a semifinal e a ideia é essa, trabalhar em cima disso”.

Saída do Vasco e um possível reencontro

A demissão de Valdir Bigode pegou muitos de surpresa no Vasco. Como interino, o ex-atacante nunca decepcionou. Em 6 partidas, entre 2017 e 2018, Valdir venceu 2 jogos e empatou 4. Apesar de ter feito um bom trabalho, o treinador não guardou mágoas e afirmou que só tem a agradecer.

“É até difícil falar. Quando eu estava dentro, falava muito pouco. Então de fora eu não tenho muito o que falar. Na verdade eu só tenho a agradecer ao torcedor que me deu crédito, me deu moral para trabalhar. Agradecer ao presidente Alexandre Campello que confiou em mim, me dando o cargo máximo do Vasco que é ser treinador em algumas oportunidades. Graças a Deus fui bem. Acho que eu só tenho a agradecer. Independente da saída, sair. Da forma que foi, se foi desse jeito ou de outro jeito, acho que nem importa mais. Fui feliz nos 4 anos em que estive lá. Agora é pensar na Cabofriense e é isso que eu estou fazendo desde então. Eu tenho uma história curta (como treinador) mas foi boa. Então vamos ver daqui pra frente se eu consigo dar sequência nela”.

Em relação a um possível encontro, Valdir afirmou que ainda não pensa nisso. Para o treinador, o foco é total no jogo contra a Portuguesa.

“Cara eu vou te falar de coração, eu não estou nem pensando nisso ainda. Estou pensando no meu primeiro adversário. Então se a gente for antecipar os jogos, fica complicado. Vamos pensar no primeiro. Quando eu for jogar contra o Vasco eu vou poder te responder”.

Lucas Santos e a permanência: “eu quero fazer história com a camisa do Vasco”