Sonhos e desafios de Caio Alexandre em 2019

Caio Alexandre vem sendo bastante observado desde o ano passado, quando surgiu um interesse do Corinthians em seu futebol. Este ano, o jovem volante foi capitão da equipe sub-20 do Botafogo na Copa São Paulo de Futebol Júnior. Em entrevista à Rádio Tupi, o atleta falou de seu principal objetivo em 2019: chegar ao time profissional do Glorioso.

“O início de ano está sendo proveitoso. Participamos da Copinha, onde o Botafogo saiu nas oitavas para o Guarani. É um time muito jovem, que tem muito a crescer neste ano. Estou feliz em ser um dos líderes do grupo e capitão. A busca sempre é fazer grandes atuações para consolidar meu espaço. Meu objetivo é bem claro, chegar no profissional e ajudar o Botafogo em todos os campeonatos. Eu traço isso como objetivo principal. Lógico que tenho sonho de jogar na Europa e Seleção Brasileira. Tem que ser um passo de cada vez. Minha primeira meta é me tornar um profissional do Botafogo em 2019”, declarou.

Corinthians

Caio Alexandre durante assinatura de contrato com o Botafogo

Caio Alexandre é considerado uma das maiores revelações dos últimos anos do Botafogo (Foto: Vitor Silva | Botafogo)

Atualmente no Sub-20 do Corinthians, Eduardo Barroca, que trabalhou com Caio Alexandre nas categorias de base do Botafogo, foi quem pediu a contratação do atleta. O jovem garante que a proposta do Timão tirou seu foco do Glorioso, pois foi blindado por seus empresários, que o deixaram tranquilo para exercer o seu trabalho da melhor forma possível.

“Meus empresários e o Botafogo me blindaram sobre isso. Minha cabeça ficou voltada somente para a preparação da Copinha. Na Copa RS a minha mente também estava blindada sobre isso. Tive um apoio familiar também para me ajudar nessa situação. Fico feliz pelo reconhecimento. O Barroca é um grande treinador. Ele me ajudou muito quando subi para o Sub-20 do Botafogo. Foi um treinador que me ensinou muita coisa. Fico feliz que a indicação tenha sido feita por ele no Corinthians. Tivemos sucesso juntos na base do clube”, concluiu.

Solução? Cícero e a camisa 10 do Botafogo