Zé Ricardo exalta desempenho do Botafogo em vitória na Sul-Americana

, Botafogo, Destaque

Com um tento salvador de Erik aos 48 minutos do segundo tempo, o Botafogo venceu o Defensa y Justicia por 1 a 0 nesta quarta-feira (7), no Estádio Nilton Santos. A partida marcou a estreia alvinegra na Copa Sul-Americana. Com o resultado, o Glorioso terá a vantagem do empate no próximo duelo. Além disso, o time comandado por Zé Ricardo, também pode perder por um gol de diferença, desde que balance as redes do adversário.

Mas se o placar se repetir, desta vez para os argentinos, a disputa da vaga será decidida nos pênaltis. A partida de volta, na Argentina, está marcada para o dia 20 deste mês, às 21h30 (horário de Brasília). Após o duelo, Zé Ricardo comemorou o triunfo alvinegro e o fato da equipe não ter sofrido gol.

“Nossa estratégia era não sofrer gol em casa. É um jogo de 180 minutos. O Defensa é uma equipe muito qualificada. Mostramos essa consciência em campo. Tivemos pouco tempo para focar nesse jogo, porque a pressão da Taça Guanabara ficou grande. O mais importante foi conseguir o resultado com muita luta, no final. Enfrentamos uma grande equipe, não é vice-líder do Campeonato Argentino à toa, não perdia há três meses e meio. O jogo da volta vai ser muito difícil”, declarou.

Criação e defesa

O Botafogo voltou a mostrar dificuldade na criação das jogadas. No entanto, o sistema defensivo foi sólido. Zé Ricardo comentou os temas.

“Essa dificuldade de criação incomoda a gente, mas hoje, pelo fator campo, nem gostaríamos de assumir esse risco. O Defensa faz uma forte pressão no meio-campo. A melhor saída era trabalhar pelos lados. Sobre a nossa defesa, tanto o Carli quanto o Gabriel vêm bem, mas é um sistema. A equipe toda trabalha para defender. O Defensa jogou na sexta e nós no domingo. Tiveram dois dias a mais de descanso, normal apresentarem uma condição melhor no fim. O importante foi não desistir. Vencemos pela boa estratégia e no talento do Erik e do Ferrareis. Futebol se faz de várias maneiras. O importante é acreditar nelas e ir até o final”, concluiu.

Solução? Cícero e a camisa 10 do Botafogo