Depois da América em 2017, Grêmio também levou a Recopa

Renato Portaluppi tem muita estrela. Depois de levar a Taça Libertadores da América em 2017, o Grêmio esperava ansiosamente o confronto contra o Independiente, então campeão da Copa Sul-Americana, diante do Flamengo, para decidir quem seria, de fato, o campeão dos campeões do continente.

Era mês de fevereiro, ainda começo de temporada, mas isso não foi impedimento para o Tricolor gaúcho levantar mais uma taça. Depois de um empate, em 1 a 1, no jogo de ida, na Argentina, o time comandado por Renato decidiria em casa, diante de uma Arena lotada.

Nas duas partidas, o Grêmio teve chances de vencer, pois jogou com um jogador a mais em ambas. Porém, foi bastante pressionado.. O Independiente teve uma expulsão em cada partida, mas, mesmo assim, conseguiu levar a partida para uma tensa decisão por pênaltis, após um novo empate, desta vez por 0 a 0, na volta, em Porto Alegre.

O sofrimento para conquistar este título não era o esperado por Renato, jogadores e torcida. O treinador sempre treinou muito cobrança de pênaltis com seus jogadores, o que resultou em uma disputa com 100% de aproveitamento.

Jogadores do Grêmio comemoram título da Recopa em 2018

Maicon e Geromel levantam a taça da Recopa (Foto: Divulgação | Grêmio)

Jogo de ida

Na primeira partida, disputada no Estádio Libertadores da América, em Avellaneda, Luan abriu o placar logo aos 22 minutos de jogo. Cinco minutos depois, o Grêmio viu as coisas melhorarem com a expulsão do atacante Gigliotti, um dos principais artilheiros da equipe. Porém, nada adiantou. Onze minutos mais tarde, em uma infelicidades, o lateral-esquerdo Cortez marcou contra e o Independiente empatou a partida.

Grohe brilha nos pênaltis e decide

Marcelo Grohe defende pênalti

Marcelo Grohe pula e dá o título ao Grêmio (Foto: Divulgação | Grêmio)

O jogo de volta teve um tom dramático para o time gaúcho. Entradas duras, divididas mais fortes, tipicamente um confronto entre Brasil e Argentina. Inclusive, com expulsão decidida pelo VAR. Armorebieta, do Independiente, deixou os argentinos com um jogador a menos. Porém, a equipe conseguiu segurar o empate no tempo normal e na prorrogação. 

O jogo foi para os pênaltis, onde o Grêmio sabia que poderia contar, e muito, com seu goleiro acostumado a fazer milagres. Com todos os nove primeiros jogadores batendo e convertendo, coube a Grohe bancar o herói e, na última cobrança da série de cinco, defender o chute de Benítez e dar o título da Recopa Sul-Americana para o Tricolor gaúcho.

Ambas as partidas contaram com a presença do VAR (árbitro de vídeo).