Ex-Madureira e Athletico-PR, zagueiro faz sucesso em pequeno de Portugal

O time é considerado pequeno, mas o zagueiro Jorge Fellipe, do Desportivo das Aves, de Portugal, já é um gigante por lá. Em sua segunda temporada no clube, faz parte da história da equipe por ter conquistado, em maio deste ano, o título da Taça de Portugal, a conquista mais importante do Aves.

O zagueiro, que tem passagens no Brasil em clubes como Athletico Paranaense, CSA, Madureira, Juventude, Náutico e alguns outros que disputam o Campeonato Carioca, falou sobre a conquista e também sobre o momento da carreira, com exclusividade, ao Esporte 24 Horas.

“Foi uma conquista muito grande, sem dúvida. Uma conquista européia chama a atenção em qualquer currículo e é um dos pontos altos da minha carreira”, disse Jorge.

Zagueiro não se ilude com objetivos de seu clube na temporada

Jorge Felippe em ação pelo Desportivo das Aves

Jorge Fellipe é um dos destaque do Desportivo das Aves (Foto: Divulgação | Desportivo das Aves)

Na metade da temporada, Jorge Fellipe sabe das dificuldades para competir com os grandes do país, como Benfica, Porto e Sporting, e dos objetivos do Desportivo das Aves no Campeonato Português.

“A temporada eu creio que foi positiva. Mantivemos o Aves na primeira divisão e conquistamos algo até então inimaginável para o clube, que foi a Taça de Portugal. O clube tem uma boa estrutura. Em Portugal, os que têm de fato instalações acima da média são Benfica, Porto, Sporting e Braga”, completou.

Sem chances no Furacão e gratidão aos clubes que passou

Jorge Fellipe em ação pelo Madureira

Jorge Fellipe teve passagem destacada pelo Madureira (Foto: Divulgação | Madureira)

Jorge Fellipe rodou por clubes do estado do Rio de Janeiro, disputando o Campeonato Carioca. Natural de São Gonçalo (RJ), o carinho mais especial é pelo Madureira. Foi no tricolor suburbano que ele se destacou e chamou a atenção do CSA, que na época, em 2017, disputava a Série C (acabou subindo para a Série B e, em seguida, para a Série A).

“O Madureira me acolheu num momento que eu precisava muito. Tenho carinho especial não só pelo clube como também por seus funcionários! Madureira e CSA são agremiações bastante especiais pra mim. Amadureci bastante nessas passagens e agradeço a cada um desses clubes por terem me permitido representá-los. Se hoje estou numa situação um pouco melhor, é graças a eles”, lembrou o zagueiro.

Zagueiro teve passagem sem brilho por Curitiba

Jorge Felippe durante treino do Athletico-PR

Jorge Felippe não foi utilizado por Paulo Autuori durante sua passagem pelo Furacão (Foto: Divulgação | Athletico-PR)

Antes do destaque no futebol carioca e alagoano, que o levou para a Europa, Jorge Fellipe passou por momentos complicados, especialmente em 2016, quando foi emprestado pelo próprio Madureira para o Athletico Paranaense. Ele não disputou nenhuma partida no Furacão, mas tem consciência do motivo.

“Na ocasião a necessidade do Atlético não era de defensores, e eu acabei sendo a sétima opção na posição. No momento dessa negociação havia outras excelentes possibilidades, mas infelizmente tudo acabou sendo mal conduzido pelas pessoas que geriam minha carreira à época”, disse ele, que fez questão de frisar que ficou bastante feliz com o título do rubro-negro de Curitiba na Copa Sul-Americana.

Feliz na Europa, Jorge pensa alto. Sabe que boas atuações o levarão a voos mais altos. Se nesses voos estiver incluída uma naturalização e um convocação para a seleção capitaneada por Cristiano Ronaldo, por que não?

“A vida é feita de oportunidades. Caso surgisse o interesse da federação, certamente eu avaliaria a possibilidade”, concluiu.

Porém, uma possível volta para o Brasil nunca está descartada. O jogador tem sondagem do Criciúma e pode retornar ao país para a disputa do Campeonato Catarinense e também da Série B.

Atualmente, o Desportivo das Aves ocupa a 16ª posição no Campeonato Português, uma acima da zona de rebaixamento. Já na Taça de Portugal, em que é o atual campeão, a equipe está nas quartas de final, com confronto contra o Braga marcado para o meio de janeiro.

Marcelo Cabo: “busco me consolidar como treinador de Série A”