Conheça o Danubio, adversário do Atlético-MG na Libertadores

Ultimamente, o Danubio, do Uruguai, tem sido mais conhecido por ser o clube que revelou grandes jogadores do futebol uruguaio, como o atacante Edinson Cavani e o ex-meia Álvaro Recoba. Quem também vestiu a camisa do clube, há muito tempo, foi Ghiggia, carrasco do Brasil na final da Copa de 50. 

Durante o sorteio que definiu os grupos da Libertadores de 2019, o Atlético-MG ficou sabendo que irá enfrentar o time uruguaio na segunda fase do torneio, quando estreia. A primeira partida, possivelmente, será no dia 6 de fevereiro, em Montevidéu. Já o segundo jogo, que deve ser no dia 13, acontecerá em Belo Horizonte. 

Pela sétima vez, o Danubio disputará a Libertadores e, sua melhor aparição até agora foi em 1989, quando chegou até a semifinal. A última participação na Libertadores foi em 2015, sendo eliminado na fase de grupos, em um grupo que tinha Corinthians, São Paulo e San Lorenzo (campeão daquele ano). Ficou em 30 lugar no geral, a terceira pior equipe da fase de grupos. Mesmo sem ter conquistado nenhum dos dois turnos do Campeonato Uruguaio, fez a melhor pontuação do futebol do país na temporada e garantiu a vaga. O sistema de pontos no Uruguai é bem diferente do futebol brasileiro.

Sem muita tradição, como Peñarol e Nacional, conquistou o título nacional apenas em quatro ocasiões. A última vez foi na temporada 2013/2014, quando se classificou para a Libertadores de 2015.

Estádio pequeno

O clube uruguaio manda suas partidas no acanhado Estádio del Barrio Jardines del Hipódromo, que tem capacidade para 18 mil torcedores. A equipe ainda não definiu se a partida será disputada por lá, ou se vai transferí-la para o Estádio Centenário, principal palco do futebol uruguaio, com capacidade para 65 mil torcedores. Se jogar lá, no entanto, a torcida do Danubio não deve lotar o estádio.

Dois trunfos para Levir

David Terans em ação pelo Danubio

David Terans em ação pelo Danubio (Foto: Divulgação | Danubio)

Sem muitas informações sobre o Danubio, o técnico Levir Culpi pode recorrer a duas soluções caseiras. David Terans e Martín Rea, ambos jogadores do Atlético-MG, vieram do clube uruguaio. O meio-campista foi contratado em definitivo, enquanto o zagueiro está emprestado pelo adversário. Como o plantel do Danubio não está tão diferente do que era na temporada passada, os dois podem dar valiosas dicas para o treinador do Galo sobre como se comportar diante do rival.

Caminho pós-Danubio

Se passar pelo time uruguaio, o Galo ainda terá mais uma fase eliminatória antes de entrar na fase de grupos. Após o Danubio, existem três equipes possíveis que o Atlético poderá enfrentar. The Strongest ou Bolivar (representante da Bolívia), Defensor Sporting-URU ou Barcelona de Guayaquil-EQU.

Caso passe também por uma dessas equipes, o time comandado por Levir Culpi entrará no grupo 5, ao lado do cabeça de chave Nacional-URU, Cerro Porteño-PAR e Zamora-VEN.

Talleres: pequeno da Argentina no caminho do São Paulo