Torcedor do River detido é solto após dois dias

Depois de alguns dias de investigação, o primeiro torcedor do River Plate envolvido na confusão do último dia 24, antes da final da Libertadores que não aconteceu, foi preso. Porém, menos de 48 horas depois, Matías Sebastían Nicolás Firpo está livre.

Matías Firpo, de boné vermelho e sem camisa, está livre da prisão ( Foto: Reprodução | Twitter )

Condenado a dois anos e quatro meses de prisão, acusado de “danos agravados e pequenas lesões intencionais”, ele teve sua pena revertida em 180 dias de trabalho comunitário, que devem ser cumpridos em um curso de assistência.

Além da “nova” pena, Matías Firpo está proibido de frequentar os jogos do River Plate no Monumental de Nuñez pelo mesmo período em que havia sido condenado anteriormente. A punição vale, inclusive, para circular a pé nos arredores do estádio.

Segundo seu advogado, responsável pela alteração da sua pena, Matías se arrependeu de todos os atos e que não era um torcedor agressivo.

Relembre o ocorrido

No dia 24 de novembro, a chegada do Boca Juniors ao Monumental de Nuñez foi bastante conturbada. O ônibus da equipe foi recebido por pedradas dos torcedores do River, que chegaram a quebrar algumas janelas. A partida, incialmente marcada para às 18h (Brasília), teve o primeiro adiamento para uma hora mais tarde confirmado pela Conmebol.

A polícia precisou reagir e usou spray de pimenta para conter os torcedores mais exaltados. Porém, o forte cheiro teve consequências nos jogadores do Boca, que desceram do ônibus em direção ao vestiário tossindo bastante e com a camisa cobrindo o rosto para não inalarem mais deste gás tóxico.

Um médico da Conmebol, ao ver a chegada do Boca, afirmou: “Os jogadores estão feridos”. Abaixo, podemos ver a chegada de Carlos Tévez aos vestiários, com bastante dificuldade de respirar.

Mais tarde, Pablo Pérez, capitão do Boca, foi levado ao hospital com ferimentos no braço causados pelos destroços dos vidros quebrados e também com uma lesão no olho, que o tiraria da partida caso ela fosse realizada.

A Conmebol chegou a adiar o jogo para domingo, porém, mais uma vez, a partida não aconteceu. Somente alguns dias depois, a Conmebol tomou a decisão de realizar a partida em Madri, algo que não agradou ao River Plate, e nem a muitos ícones e personalidades do futebol.

Saiba tudo sobre o palco da final da Libertadores!