Com torcida no aeroporto, River Plate chega à Madri

Depois de o Boca Juniors desembarcar na tarde da última quarta-feira, foi a vez do River Plate chegar em Madri para a grande final da Taça Libertadores, neste domingo. A equipe apareceu no saguão do aeroporto por volta de 2h30 (horário de Brasília) e, mesmo assim, havia alguns torcedores fanáticos que os esperavam.

Jogadores do River desembarcam em Madri ( Foto: Reuters )

Os jogadores foram diretamente para o hotel e, após descansarem, realizarão o primeiro treinamento em solo espanhol nesta tarde, no CT do Real Madrid.

Foram colocados à disposição de cada equipe 25 mil ingressos para a partida, sendo que apenas 5 mil para torcedores que moram na Argentina. Em Madrid, há uma presença muito forte de argentinos e apoio das arquibancadas não faltará.

Jogadores acenam para a torcida ( Foto: Reprodução | Twitter )

Ponzio também desembarca

Um possível envolvimento do capitão Leonardo Ponzio com esquemas de manipulação de resultados, na época em que defendia o Zaragoza, assustou o River Plate. Advogados do clube agiram rapidamente e, ao que tudo indica, o jogador não teve problemas para desembarcar em solo espanhol.

Uma publicação do jornal Ás, da Espanha, informou que o atleta teria problemas com a polícia local se viajasse para o país.

Gallardo reclama de jogar em Madrid

A partida marcada para o Estádio Santiago Bernabéu, neste domingo, às 17h30 (Brasília), gerou reclamações de ambas as equipes. Se por um lado, Tévez, o mais experiente do elenco do Boca não gostou, o mesmo aconteceu com Marcelo Gallardo, técnico do River.

“Roubaram o torcedor do River. Hoje fomos nós, mas amanhã podem ser outros. Tínhamos que jogar no Monumental, nas mesmas condições que fomos a La Boca. Roubaram do torcedor uma oportunidade única. A Conmebol já tomou a decisão e não podemos mudar, por mais absurda que seja. Mas dizer o que penso não vou fazer”, afirmou.

O treinador viajou para Madri para comemorar um possível título. Isto porque, suspenso pela Conmebol, ele sequer poderá comandar a equipe de dentro do gramado.

Sobre como preparar a equipe para uma final dessas, o técnico foi irônico em sua resposta.

“Estamos indo jogar a 10 mil quilômetros. A Taça Libertadores da América, rapazes… Será jogada a 10 mil quilômetros”, completou Gallardo.

Tévez reclama de jogar final em Madri