Morre o criador da camisa verde e amarela do Brasil

O dia não foi feito só de alegria para seleção brasileira. Pelo contrário, na noite da última quinta-feira, a morte do escritor Aldyr Schlee, aos 83 anos, levou embora uma parte histórica do país. Responsável pela criação da camisa verde e amarela, o jornalista lutava contra complicações pulmonares e acabou não resistindo. Aliás, o filho Andrey Schlee, conviveu com o pai até os últimos momentos e revela sua intimidade. De acordo com ele, Aldyr estava confiante e na expectativa do lançamento do mais novo livro.

“Ele era uma pessoa maravilhosa, divertida e carinhosa. Além disso, meu pai teve uma vida dedicada à literatura. Ele escreveu 12 livros e há cerca de duas semanas havia lançado em Porto Alegre o mais recente livro a novela O Outro Lado.  Ele estava ansioso em lançar agora neste final de semana na Feira do Livro de Pelotas”, declarou o filho.

Além dos seus livros, Aldyr Schlee deixou um legado histórico: a camisa de futebol do Brasil. Vencedor de um concurso criado pelo jornal Correio da Manhã, em 1953. O jornalista destituiu o uniforme branco, referente ao Maracanazo, e promoveu o conjunto de camisa amarela, calção azul e meias brancas. Diante do feito, outros benefícios foram alcançados pelo profissional.

Com a vitória no concurso, Aldyr Schlee arrecadou R$ 20 mil e um estágio no jornal. Cartunista na época, o profissional se beneficiou muito da experiência e ingressou no jornalismo anos depois. Além disso, após um ano da eleição, a CBD (Confederação Brasileira de Desportos) oficializou o modelo de Aldyr como as cores esportivas do Brasil. Aliás, utilizamos o modelo até os dias de hoje na Seleção.

Vida pessoal

Aldyr nasceu no município de Jaguarão, no sul do Rio Grande do Sul. Na vida acadêmica, Schlee formou-se em direito na Universidade Federal de Pelotas, e ainda foi fundador do curso de jornalismo da Universidade Católica de Pelotas.

 

Gonçalves analisa renovação da Seleção Brasileira