Vasco visita o Sesi Franca pelo NBB

, Outros Esportes

Na última partida pelo Novo Basquete Brasil (NBB), o Vasco fez bela apresentação e venceu o Sendi Bauru, no Panela de Pressão. Nesta quinta-feira, às 20h45 (de Brasília), o Gigante da Colina, mais uma vez no interior de São Paulo, encara o Sesi Franca, no Pedrocão. O técnico Alberto Bial destacou as duas vitórias da equipe como visitante, que o último resultado positivo dá moral ao time e os pontos são fundamentais na busca pela classificação aos playoffs.

“Esta vitória fora de casa nos dá suporte e moral, além de elevar nossa autoestima. Se ter ganho em Brasília foi bom, vencer aqui foi ótimo. Eu tinha comentado que uma vitória num desses dois jogos aqui no interior de São Paulo iria valer ouro. Agora, se viesse mais uma pepita de ouro, poderíamos guardá-la no cofre. Estes pontos fora de casa serão importantes para a classificação para os playoffs. Essa pepita está sendo muito apreciada, e temos de buscar a pepita sempre”, disse, completando com elogios a equipe pela partida contra o Bauru.

“Esta sinergia (integração e coletividade) permitiu que Duda (17 pontos) e Nick Okorie (duplo-duplo com 19 pontos e 10 assistências) pudessem ser os clutchs, com as bolas mais decisivas. Enquanto isso, Gemerson e Lucão foram operários. Foram altruístas junto com o Alexei e o Pilar, todo mundo trabalhando junto pela vitória.”

Franca

O Vasco não terá vida fácil nesta quinta-feira. O Sesi Franca precisa se recuperar após derrota para o Botafogo na última rodada, jogando em casa. Alberto Bial alertou para a força do trio adversário, formado por David Jackson (ex-Vasco), Cipolini e Jimmy.

“Franca vai vir ferido por ter perdido para o Botafogo. É um time muito forte, bastando lembrar que se trata do atual campeão paulista. Franca conta com um jogador extraordinário, o americano David Jackson, que atuou duas temporadas no próprio Vasco. Eles têm um jogo de garrafão muito bom, por meio do Cipolini, e também têm o Jimmy, que eu revelei no Joinville, e é um cracaço. Será um jogo duríssimo. Mas não vamos nos sentir inferiores e nunca vamos nos deixar apequenar”, concluiu.

Deixe uma resposta