Walace projeta concorrência na Seleção Brasileira

O volante Walace vai ver o Brasil enfrentar a Arábia Saudita, logo mais, às 15h (horário de Brasília), do banco de reservas. Pelo menos no primeiro tempo. O técnico Tite já definiu a equipe titular e o volante, convocado pela primeira vez para a seleção principal, não vai começar a partida.

Atualmente, Walace defende o Hannover, depois de se destacar no Grêmio e não ter muito sucesso no Hamburgo, também da Alemanha. No entanto, ele chegou a ser convocado por Tite, em 2017, para um amistoso contra a Colômbia no Engenhão, em homenagem às vítimas do voo da Chapecoense, no qual apenas atletas que atuavam no Brasil foram convocados. O jogador falou com exclusividade com o Esporte 24 horas.

“O Tite vai fazer alguns experimentos, e acho que me encaixo nesse perfil. Já conheço a metodologia de trabalho do professor Tite, tive a oportunidade de ser convocado por ele em 2017, onde fui titular contra a Colômbia. Acredito que a mudança seja essa filosofia a longo prazo, começando um novo ciclo”, disse Walace.

O ex-Grêmio chega agora ao time de Tite e, logo de cara, vai encontrar uma concorrência pesada, com dois jogadores que são simplesmente destaques de Real Madrid e Barcelona: Casemiro e Arthur, respectivamente.

“A concorrência é sempre saudável, faz com que o grupo cresça e que tenha sempre essa disputa. Assim como eu vou ter a minha chance agora, tem muitos jogadores de qualidade que poderiam ter sido chamados. O importante é seguir fazendo bem o meu trabalho no clube e mostrar todo meu potencial quando for chamado pelo professor Tite”, conta ele.

Vale lembrar que Walace foi campeão olímpico nos Jogos Rio 2016.

Reencontro com ex-companheiro de Grêmio

Se não vai ser titular contra a Arábia Saudita, pode ser que, no clássico contra a Argentina, na próxima terça-feira, a história seja diferente, já que Tite pretende fazer alguns testes.

Pode ser a chance de Walace reencontrar não só a Argentina, contra quem já atuou nas seleções de base, mas também o zagueiro Kannemann, ex-companheiro no Grêmio.

“Tive a oportunidade de jogar contra a Argentina na base e sei da rivalidade toda que é. Além disso pessoalmente estou na expectativa de reencontrar e jogar contra o Kannemann. Com certeza será um grande jogo”, lembrou Walace.

Frustração na Alemanha e quase ida ao Flamengo

Walace não teve sucesso no Hamburgo

Volante Walace enquanto vestia a camisa do Hamburgo (Foto: Divulgação | Hamburgo)

Depois de sair do Grêmio, Walace foi para o Hamburgo, uma equipe mediana no Campeonato Alemão, no qual dificilmente alguma equipe que não seja Bayern de Munique, Borussia Dortmund ou Leverkusen se destacam.

Com o time brigando para não cair (o que de fato aconteceu na temporada passada pela primeira vez), Walace teve inúmeros problemas por lá. Um deles, foi sua recusa em atuar como zagueiro. Com isso, o então treinador Christian Titz, o cortou da relação da partida.

No entanto, era previsto em contrato que, mesmo fora da partida, ele deveria ir ao estádio para acompanhar o jogo. Como castigo, já que Walace simplesmente desapareceu, foi realocado para treinar com a equipe sub-21. Também não apareceu no treino e todos os caminhos o colocavam como novo jogador do Flamengo, que havia manifestado interesse publicamente.

O time rubro-negro havia tentado sua contratação na janela de transferências anterior, mas o Hamburgo recusou a proposta. Chateado, ele se reapresentou com atraso, mas foi convencido a ficar na Alemanha.

Seguiu na equipe do Hamburgo, porém sem receber muitas chances. Ao final da temporada, o time foi rebaixado e ele, mais uma vez especulado na Gávea, acabou vendido ao Hannover, time com menos expressão ainda.

Walace com a camisa do Hannover

Walace trocou o Hamburgo pelo Hannover (Foto: Divulgação | Hannover)

Mesmo assim, o volante de extrema qualidade mostrou novamente seu valor e hoje é jogador da Seleção Brasileira.

Jogão! CBF confirma amistoso entre Brasil e Uruguai

Deixe uma resposta