Maestro do Tri questiona Neymar na Seleção

Jogador de maior destaque da Seleção Brasileira nos últimos anos, Neymar fez uma Copa do Mundo bem abaixo da média na Rússia. O atleta vinha de uma cirurgia no quinto metatarso, osso que liga a lateral do pé ao dedo mínimo, realizada no dia 3 de março. O atleta voltou a treinar no PSG no dia 5 maio, mas só voltou a jogar em amistoso da equipe de Tite visando a preparação para o Mundial. Médicos disseram que o jogador deveria começar a evoluir e mostrar o seu bom futebol a partir das oitavas de final da competição. O que não aconteceu. Nas cinco partidas que disputou no torneio, marcou apenas dois gols.  Além disso, mostrou descontrole emocional, reclamando muito com os árbitros, prendendo muito a bola e se atirando no chão tentando cavar faltas, o que gerou revolta de torcedores e adversários.

Passado o Mundial da Rússia, Neymar segue sendo o principal nome da equipe comandada por Tite. Inclusive, o técnico encerrou o rodízio de capitães utilizado desde que assumiu a seleção e decidiu que o camisa 10 assume a braçadeira de vez.

Gerson foi o maestro do Tricampeonato do Brasil na Copa de 70 (Foto: Divulgação | CBF)

Para falar sobre o jogador no período Copa e pós-Mundial, o Esporte 24 Horas conversou com um ex-jogador que fez história com a camisa da Seleção Brasileira. Trata-se de Gérson, “O Canhotinha de Ouro”, campeão mundial com o time canarinho na Copa do Mundo de 1970. O ex-meia não poupou críticas ao jogador do Barcelona, afirmou não ter visto mudanças do mesmo nos dois últimos amistosos e acredita que Tite errou em dar o posto de capitão da equipe para Neymar.

“Ele realmente foi muito criticado. Ele não jogou, só levou tombo. Ele foi achincalhado pelo mundo depois da Copa, quando ele tinha que ser o principal jogador do Brasil e levantar a taça de Campeão do Mundo, como ele fez nas Olimpíadas. Então, culpa dele. Porque cabelinho bonitinho, cheirosinho, arrumadinho, ele não foi lá para a Copa do Mundo para isso. Aí o que acontece? Melhorou depois da Copa do Mundo? Não, ele continua sendo o mesmo. Achincalhado pela Europa toda, não entrou nos melhores do mundo, isso tudo por conta da Copa. Então, ele tem que mudar mil por cento, porque 100% não vai adiantar.”

Copa do Mundo de 2022

Gerson durante conversa na redação da Rádio Tupi

Atualmente, Gerson é comentarista da Rádio Tupi-RJ (Foto: Divulgação | Rádio Tupi)

Na Copa do Mundo de 2022, no Qatar, Neymar estará com 30 anos. Devido a idade, talvez possa ser a última chance do jogador conquistar a competição. Perguntado se finalmente o atleta do Barcelona terá atingido a maturidade e conseguirá render o que torcida e imprensa esperam dele, Gérson mostrou pessimismo com o futuro do atacante.

“Bom, ele já deveria estar (maduro), pois já não é mais menino. Menino ele foi lá no Santos. Ele é um chefe de família. Ele já está muito velho para não ter aprendido. E na Copa do Mundo, ele vai estar com 30 anos. Será que ele ainda vai estar jogando? Será que ainda vai ser o mesmo jogador talentoso, inteligente e querendo jogar? Eu não sei. Eu acho que isso é um ponto de interrogação. A gente só vai saber quando estiver chegando a Copa do Mundo. Até lá, eu não sei nem se ele vai continuar jogando. Vai fazer mais o quê? Não tem mais nada o que fazer. A não ser publicidade, propaganda, que ele até faz muito bem. Então, eu não sei. Não sei se ele vai estar jogando. Não sei se ele vai disputar a próxima Copa do Mundo.”

Títulos

Neymar comemora conquista da medalha de ouro

Neymar comandou a Seleção Brasileira na conquista do ouro olímpico na Rio 2016 (Foto: Divulgação | CBF)

Pela Seleção Brasileira, Neymar conquistou a inédita medalha de ouro nas Olimpíadas, em 2016, e a Copa das Confederações de 2013. Para o Canhotinha de Ouro, apenas dois títulos é muito pouco pelo talento do jogador. Inclusive, o ex-jogador não acha que vencer a competição de 2013 seja um grande feito.

“É pouco se você pegar o Neymar tecnicamente. Nós estamos discutindo tecnicamente. É pouco, muito pouco. Agora, em relação à Olimpíada, é muito, porque é inédito. O Brasil ainda não tinha essa medalha. E ele deveria ter jogado a Copa do Mundo como jogou as Olimpíadas, querendo ganhar. E não como ele fez na Copa do Mundo. Se você botar a Copa do Mundo e botar a Olimpíada, ele foi 1000% na Olimpíada e foi zero na Copa do Mundo. Nós estamos torcendo para que ele continue brilhando. Por que nem lá no PSG, ele já não é mais a peça principal. E a Copa das Confederações, o que é isso? É um grande título? Mas foi campeão, ótimo, muito bem. Copa América, o que vale? Não vale nada. Vale Copa do Mundo e Olimpíada. Esses outros detalhezinhos entram no currículo, mas não têm peso.”

Críticas

Pelo talento e potencial que Neymar possui, a expectativa sobre ele é grande. Porém, por conta das fracas exibições, o atleta é alvo de críticas constantemente. Gérson trata o fato como normal e pontua que outros grandes atletas já passaram por isso. O campeão mundial respondeu se isto pode atrapalhar o desempenho do camisa 10 em campo.

“Mas isso é normal. Os grandes jogadores sempre foram muito mais criticados do que os outros. O Pelé passou por isso, o Garrincha, o Nilton Santos. E ele tem que passar, como um dos melhores, senão o melhor da Seleção Brasileira. Então, ele tem que passar por isso. E ele tem que administrar isso, sabendo que a conta vai toda para ele. Agora, tão pegando no pé dele? Sim, estão pegando. Como tem que pegar, porque ele é o principal jogador. Isso é carimbo. Você é bom jogador? É. Então vai ter que passar por isso tudo. Isso tem influência, ou vai influir em alguma coisa no jogo dele? Talvez. Aí é que eu estou dizendo que ele tem que ser maduro para segurar isso tudo. Administrar isso tudo. Para dividir muito bem. Porque a cobrança é toda com ele mesmo. E ninguém vai cobrar de A, B ou C, quando tem que cobrar dele, pois ele é o melhor. Ele é que tem que se virar para administrar isso tudo”, concluiu.

Tite convoca Seleção com 13 que estiveram na Copa e novidades

Deixe uma resposta